Clarice Maia Scotti

o design centrado no usuário das palestras

(eu ia escrever apenas um comentário para o caio no post dele sobre sua apresentação no interact, mas ficou tão grande que resolvi transformar em post)

caio,

eu estava lá na primeira fila de sua apresentação, e é claro que percebi o constrangimento, mas depois que li seu post ontem, fiquei ruminando algumas coisas. espero que você me perdoe a franqueza e entenda que são apenas críticas construtivas, ok?

como eu escrevi no post aí embaixo, houve uma certa rejeição do público à palestra da ana erthal, e eu brinquei que "nós somos o usuário, o conteúdo dela pode ser ótimo, mas se a interação não funciona, a culpa é dela, não nossa". acho que existem muitas similaridades entre a apresentação dela e a sua. ambas traziam temas muito interessantes. ambas foram apresentadas por profissionais renomados em suas áreas. ambas não empolgaram apesar do bom conteúdo. ambas foram excessivamente acadêmicas e monótonas (no caso dela, falo com base nos 10 minutos que vi antes de mudar de palco).

a ironia é que no seu caso, creio que a resposta para o "problema" da sua apresentação estava nela mesma. faltou usabilidade. faltou exatamente o equilíbrio entre as duas vertentes. faltou o despertar das emoções nos seus usuários/ouvintes. você quis mostrar que a usabilidade não implicava em caretice, mas escolheu uma forma extremamente careta de dizer isso!

o meio continua sendo a mensagem, e é cada vez mais difícil separar um do outro. mas assim como eu defendi a tv no juri simulado da faculdade, continuo acreditando que o meio (e a mensagem) se molda ao uso que fazemos dele. não importa se você faz uma apresentação em powerpoint, em flash ou em cartolina, ou se você usa pc ou mac, mas você tem que usar o meio que tem para seduzir seu usuário. você admitiu, lá na palestra, que não tinha competência pra fazer um powerpoint "bonito", mas disse como se aquilo não fosse relevante para o resultado final, já que o conteúdo é que importa. mas é. é relevante demais, é fundamental.

e eu não acredito que você não tenha competência para fazer melhor. talvez não tenha tido tempo, talvez não tenha mesmo se dado conta do quanto isso era importante, mas eu sei que você é capaz. use frases mais curtas, ilustre cada slide, dê mais exemplos, resuma alguns pensamentos em imagens! não precisa ficar "bonito", mas precisa ficar atrativo. não sei se você já viu alguma apresentação do gil giardelli, ele falou lá de manhã. os slides dele são toscos, até feios, mas são extremamente atrativos e envolventes!

faça um exercício de imaginação. volte uns 10, 12 anos no tempo e lembre daquele caio que ia para a fafich de calça jeans e camiseta, que participava do campeonato intergaláctico de mofão do cec, que ouvia jurubeba e tomava vinho vagabundo de garrafão com gelo seco. aquele caio era a maioria absoluta da sua audiência no interact. você acha mesmo que aquele caio iria ficar empolgado com a apresentação desse caio de hoje? ou iria se levantar pra ver o cara do myspace falar no outro palco?

você não precisa se enfiar num macacão laranja adornado com fitas reflexivas se este não é o seu estilo (certamente seria um desastre também), mas é preciso se aproximar do seu público, é preciso centrar no usuário!

e isso implica também se adequar ao ambiente. desde antes do evento estava bem claro que a proposta do segundo palco era aproximar ao máximo da experiência proporcionada pelo ambiente virtual da internet, em que as informações são mais rápidas e a interação é mais fácil. o que você chamou de "ritmo de pastelaria", é tão somente uma simulação do ritmo em que vive a imensa maioria do seu público. quem deveria então se adequar?

como toda experiência, é verdade que houve erros e acertos. a interrupção foi realmente brusca (imagino como deve ter sido desagradável pra você) e seria inadmissível em um ambiente convencional de palestras. mas se pensarmos que não foi por acaso que aquele palco foi montado na boate do hotel, não justifico a interrupção, mas de certa forma entendo. o luli estava ali fazendo o trabalho dele, igual a um dj que precisa sentir o público e manter a pista cheia. isso muitas vezes significa interromper uma música que pode ser genial, mas que não está combinando ali. concordo que poderia ser com mais tato, mas não deixo de perceber que até isso se encaixa na experiência proposta. afinal, na internet, se você se vê em um site boring, não vai pedir desculpas antes de fechar a janela e continuar seu caminho, vai?

se te consola, eu acho que, pelo menos para mim, se uma apresentação me fez pensar a ponto de escrever desse tanto, ela certamente foi muito válida. talvez seja até mais interessante aprender analisando os erros do que simplesmente observando uma série de acertos.

abs,
clarice

Postado por Clarice, segunda-feira, maio 25, 2009.


_________________________________________________________


Comentários:

Oi Clarice!

Obrigado pelo feedback. Bacanas as referências ao passado distante :-D

Realmente é fogo o que você falou. Mas vou tratar disso mais adiante. Em primeiro lugar, o que me deixou meio chateado não foi a questão da platéia; isso eu já estou acostumado. É um tema um pouco mais hermético mesmo... Com isso eu já estou acostumado e, como disse, abordarei mais adiante.

O que me chateou foi o jeito que fui tratado pelo responsável pelo ambiente. Aquilo me chateou como eu tenho certeza que chateou a palestrante do Sebrae que se apresentou logo após a minha fala e que teve um diálogo interrompido com uma garota da platéia pelas palmas puxadas pelo responsável pelo ambiente. Ele foi muito rude e mal-educado. Isso me chateou profundamente e evitou que a minha apresentação - embora não fosse um showzinho de palestrante vestido de lixeiro - fosse conduzida de maneira apropriada. Ele é um profissional das antigas e tem mais experiência do que eu. Entretanto, isso não foi o suficiente para que ele soubesse conduzir o ambiente. Como disse, dou palestras há dez anos e jamais fui tratado assim; mesmo quando o evento tinha que acabar ao meio dia e era 13:15 e eu ainda estava falando. Há algo de respeito que foi esquecido ali.

Como disse, não creio que o problema tenha sido com a platéia. Acho que a questão foi outra.

Mas, com relação à abordagem do tema, novamente agradeço o seu feedback. No que diz respeito ao aspecto visual da apresentação e o formato dela, acho que há melhorias a fazer; mas quando construo estes documentos penso que depois eles serão compartilhados, repassados e lidos por quem acessa meu site para ver o que já falei e acho que é um baita desperdício de espaço no meu servidor e de download dos usuários baixar uma apresentação com 50 slides de fotos com uma frase em cada um. Por isso me empenho em colocar ali um resumo do que foi falado; não para eu ler na hora, mas sim para as pessoas lerem depois...
De qualquer forma, viver é um eterno aprendizado, né? E obrigado pelo seu texto. Como você disse, minha apresentação causou em você esta inquietação que foi bem bacana e a sua fala deu mais força às de outras pessoas que me falam coisas semelhantes.

Então foi tudo bacana; exceto o tratamento que recebi do responsável pelo ambiente.

Valeu! :-)
# posted by Anonymous [caiocesar] : 25 de maio de 2009 13:58
 
pois é, na apresentação da viviane, a "garota da platéia" era eu mesma. :-p

entendo sua chateação e concordo que poderia ter sido diferente. mas como eu disse, entendo também que tudo ali fazia parte da experimentação de um novo formato, que todo mundo ali – principalmente o mediador – estava diante de uma situação inusitada, cheia de imprevistos, e que o luli estava apresentando, mediando e costurando as palestras daquele ambiente desde às 9h, non-stop, até o almoço dele foi um "evento".

sei que isso não justifica a falta de educação, apenas senti mais como uma circunstância do que como algo pessoal (mas claro que pra garota da platéia é mais fácil lidar com isso do que pro palestrante). e acho que seria interessante que ele tivesse um feedback sobre isso também, mas aí já acho que tinha que partir de você e dos demais palestrantes que se sentiram mal tratados.

porque no geral, houve mais acertos que erros, eu achei o formato muito mais bacana e produtivo do que o tradicional e aparando essas arestas pode estar surgindo aí uma alternativa bem interessante pra esses eventos cheios de "mais do mesmo".

no mais, que bom que meu feedback foi útil! :-)

abs!
# posted by Blogger Clarice : 25 de maio de 2009 14:36
 
só mais uma coisinha:

eu, particularmente, prefiro baixar uma apresentação de 50 slides atrativos do que 5 com um resumo em texto que poderia muito bem estar num post do blog, em texto mesmo, mais ou menos como foi seu post sobre a apresentação.

se o problema é o seu servidor, hoje já existem alternativas, como esses megaupload da vida ou até o slideshare, que é gratuito e acaba virando uma ótima biblioteca de referências...
# posted by Blogger Clarice : 25 de maio de 2009 14:56
 
Clarice. Bacana e reflexivo seu post. Linkei no "resumão" que diz do evento.
Passa lá no Mercado Web Minas depois.
Abraço,
Marcelo Sander
# posted by Blogger Marcelo Sander : 26 de maio de 2009 11:07
 
Huhuuu, ótima nas colocações Clarice, acredito que o mediador tentou em termos se desculpar com o público tratando ele daquela forma porque a palestra esteve longe de ser boa, diria até que ele errou desde a hora que começou a falar, público se conquista desde o início e ele não empolgou ninguém no começo (e nem depois). Fato é que eu pensava em fazer a pós de Design de Interação e depois de conhecer um pouco do que parecem ser as aulas de lá, não vou passar nem perto. Espero que meu comentário não tenha ficado arrogante, como o destinatário da mensagem.
# posted by Blogger trabalhar.trabalhar.trabalhar : 27 de maio de 2009 13:00
 
É, as referencias que chegaram em mim sobre essa pós foram sinistras também. ABSURDO desrespeito com o aluno. Até de fora eu tive vontade de matar.
# posted by Anonymous Anônimo : 28 de maio de 2009 11:26
 
Postar um comentário

Voltar para o início


Clarice Maia Scotti - design gráfico & web
Contato: cmscotti@gmail.com